Bastão Curto

O bastão longo evoluiu como uma arma, e posteriormente, como uma arte de defesa e ataque, a partir da necessidade de uma maneira mais fácil de defesa.

Em tempos antigos, as pessoas caminhavam com um pau (cajado) de uso pessoal. O bastão se converteu num símbolo de status. As pessoas pobres teriam bastões simples, de material barato, as pessoas abastadas teriam um bastão de maior qualidade, de madeira melhor. Também na classe alta, podia-se levar uma ornamentação pessoal, não apenas de madeira rara e bonita, mas também adornadas e decoradas com diferentes elementos e desenhos.

Outra utilidade dos bastões era no caso dos viajantes, que muitas vezes eram atacados nas suas viagens, utilizavam então o seu bastão para defender-se dos agressores, e conseguir defender as suas famílias e as suas posses.

 

Pa-Kua tem mantido, na sua ampla gama de conhecimentos dentro das artes marciais, este antigo meio de auto-defesa. O seu estudo baseia-se na disposição dos símbolos de Pa-Kua, no uso dos oito câmbios, nas três distâncias (Céu, Homem e Terra), e a teoria do Ying Yang.

O estudo desta antiga arma ensina muito mais do que qualquer outro meio de defesa. As posturas adquiridas durante a prática com o bastão longo, a destreza, a habilidade de usar um objecto comum em forma de arma (como um cabo de vassoura) para defesa própria, trazem enormes benefícios a qualquer estudante de Pa-Kua.

 

O curso de bastão longo divide-se em 4 níveis. Depois de completar o 4 nível e com a formação adequada, o estudante adquire a habilidade de ensinar a arte da defesa pessoal com bastão longo.

 

 

designed by Miguel Coimbra